Uma Paragem Por Aquilo Que Nos Passa

Lx Factory – Lisboa – Maio 2010
Galeria de São Mamede – Lisboa  -  Janeiro 2006

Depois de mortas

De novo de frente para as coisas, o fotógrafo apronta-se. Verifica os instrumentos, a luz, o deslizar lento da nuvem. Olha as coisas à frente da máquina, todo lançado para o disparo fatal, definitivo, e – zero. As coisas de repente esvaziadas, sem nada, não lhe devolvem nada. As coisas todas iguais, zeradas, desúnicas. Tudo sem substância. Tudo vazio. Das coisas, só os nomes – cara, casa, árvore, nave espacial -, e os nomes não são fotografáveis. É o fim (por assim dizer). Perante a evidência, o fotógrafo não pode fazer o que quer que seja. Mete a tecnologia no saco, regressa a casa cabisbaixo. E correm muitas nuvens no céu, e o anónimo nada repete-se muitas vezes, vários dias, tempo demais. Até que, quase sem consciência dos próprios gestos, o homem recomeça. Com seus cálculos e instrumentos, de máquina na mão, decide matar as coisas. Retirá-las dos lugares e nomes, entrar nelas, matá-las. Mas não é o fim (por assim dizer). Depois de mortas é que as coisas serão as coisas.

Jacinto Lucas Pires

Galeria de São Mamede
Janeiro 2006
Galeria de São Mamede
Janeiro 2006
Galeria de São Mamede
Janeiro 2006
Galeria de São Mamede
Janeiro 2006
Galeria de São Mamede
Janeiro 2006
Galeria de São Mamede
Janeiro 2006
Galeria de São Mamede
Janeiro 2006
Galeria de São Mamede
Janeiro 2006
Lx Factory 
Maio 2010
Lx Factory 
Maio 2010
Lx Factory 
Maio 2010